Preparando a volta ao Futuro!

Preparando a volta ao Futuro!

 Preparando a volta ao Futuro!

Eram fogos de artifício num céu profundamente escuro o que realçava, ainda mais, a beleza e as cores que as reações químicas efêmeras produzem.

Ouvíamos barulhos ocasionais, explosões passageiras, resultado da presença de pólvora na mistura incandescente, mas a beleza era tanta que nem nos distraiam!

Estávamos tão acostumados à penumbra do desenvolvimento, que nos sentíamos como que transportados magicamente para “o futuro” e, por breves segundos, pertencemos ao Primeiro Mundo.

Mas como era apenas um sonho, ou melhor um show pirotécnico, a apresentação chegou ao fim!

Com o seu término descobrimos que enquanto estivemos hipnotizados, uma força desconhecida roubara nossos recursos, nossos empregos, nossos sonhos… quase tudo!

Descobrimos, ao final do espetáculo, que tínhamos caído no velho golpe do “distrair para dominar”!

Verdade seja dita, aqui e ali, algumas pessoas mais lúcidas chamaram a atenção para algo estranho naquelas luzes cadentes, mas a maioria não quis ouvir e até expulsou do grupo dos eleitos aqueles críticos ácidos e contumazes que não suportavam a felicidade alheia.

Além disso, o próprio o mundo verdadeiramente desenvolvido se surpreendeu, com nosso desempenho, embora não pareça ter se surpreendido tanto com nosso melancólico retorno ao status quo.  Como nós, também acreditaram que finalmente havíamos saído do entorpecimento terceiro mundista.

Foi como se no momento em que íamos ter acesso ao pote de ouro no fim do arco íris alguém apertasse por mero descuido a tecla “game over”, ou nos acordasse, abruptamente, de um sonho maravilhoso!

Como num passe de mágica reverso, voltamos ao ponto de partida do jogo, com um agravante: respirando pólvora queimada e enxofre!

Em uma reportagem especial sobre o Brasil de 04.12.2015, o Financial Times misturou bossa nova com economia (The Fortune Hunters) para ratificar que a famosa frase de Tom Jobim: “O Brasil não é para principiantes”, nunca soou tão verdadeira como no presente.

A reportagem destacou que apesar do quadro econômico desolador e de um aparente desprezo de grande parte dos investidores estrangeiros pelos nossos negócios, existiam no Brasil de sempre, ilhas de sucesso tecnológico e financeiro, habitadas por “caçadores de fortunas”: empreendedores realistas e destemidos.

Agora, passadas as primeiras horas de um desconfortável despertar e ultrapassada a fase da negação (mesmo com alguma revolta ainda a ser elaborada) começamos a reunir forças para reconstruir nossa trajetória.

Voltamos a nos sentir como passageiros de segunda classe num trem anacrônico chamado “país do futuro”, mas não desistimos do sonho possível.

No combate à corrupção comandado pelo Ministério Público Federal e Polícia Federal  e na vocação do brasileiro para o empreendedorismo residem os sinais de que pretendemos deixar de ser espectadores, para atuar como atores da própria transformação.

Se a madrugada mais escura realmente precede o nascer do sol, estamos caminhando para momentos de uma claridade tênue, mas verdadeira, que nos ajudará a enxergar melhor os equívocos e os desafios a serem vencidos.

Se vamos enfrentá-los com competência, só o futuro (de novo ele), dirá!

Marcia Pereira

MP Compliance & Governance

http://novo.mpcompliance.com.br/

Comentários desativados.